ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - Razão de verossimilhança para a trissomia do cromossomo 21 em fetos com regurgitação tricúspide em 11 a 13 + de digitalização de 6 semanas.

Razão de verossimilhança para a trissomia do cromossomo 21 em fetos com regurgitação tricúspide em 11 a 13 + de digitalização de 6 semanas.

Para determinar a razão de verossimilhança para a trissomia do cromossomo 21 em fetos com regurgitação tricúspide em 11 a 13 + de digitalização de 6 semanas.
Ecocardiografia fetal foi realizada por especialistas cardiologistas pediátricos em 742 gestações únicas em 11 a 13 + 6 semanas de gestação e pulsado onda Doppler foi usada para determinar a presença ou ausência de regurgitação tricúspide. Para evitar confusão com outros sinais adjacentes, uma definição estrita de regurgitação tricúspide foi usado, na medida em que teve que ocupar pelo menos metade da sístole e atingir uma velocidade de mais de 80 cm / s. O comprimento cabeça-nádega fetal (CRL) ea medida da translucência nucal (TN) foram medidos e a presença de qualquer anormalidade congênita do coração observou. Acompanhamento da gravidez foi realizado para determinar a presença de anormalidades cromossômicas. A razão de verossimilhança para a trissomia do cromossomo 21 em fetos com e sem insuficiência tricúspide foi determinada.
A valva tricúspide foi examinado com sucesso em 718 (96,8%) casos. Regurgitação tricúspide estava presente em 39 (8,5%) dos 458 fetos cromossomicamente normais, em 82 (65,1%) do 126 com trissomia 21, em 44 (53,0%) do 83 com trissomia 18 ou 13, e em 11 (21,6 %) dos 51 com outros defeitos cromossômicos. A prevalência de insuficiência tricúspide também foi associada com CRL fetal, NT delta e na presença de defeitos cardíacos. Análise de regressão logística, independentemente de defeitos cardíacos, demonstrou que em fetos cromossomicamente normais previsão independente significativo da probabilidade de regurgitação tricúspide foi fornecido por fetal delta NT (odds ratio (OR), 1,26, 95% CI, 1,34-1,41, P < 0,0001), enquanto na trissomia do 21 fetos previsão foi fornecido por CRL (OR, 0,94; 95% CI, 0,89-0,99, P = 0,021). A razão de verossimilhança para trissomia do 21 de regurgitação tricúspide foi obtido dividindo-se a probabilidade de trissomia do cromossomo 21 pelo que em fetos normais. No grupo de fetos normais, a prevalência de regurgitação tricúspide em pacientes com defeitos cardíacos foi de 46,9% e 5,6% naqueles sem defeitos cardíacos, ea razão de verossimilhança de regurgitação tricúspide para defeitos cardíacos foi de 8,4.
Em 11 a 13 + 6 semanas de gestação ', existe uma alta associação entre tricúspide regurgitação e trissomia 21, bem como outros defeitos cromossómicos. A prevalência de insuficiência tricúspide aumenta com a espessura da TN e é substancialmente mais elevada naqueles com, do que aqueles sem, um defeito cardíaco.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15937972

VEJA TAMBÉM:



Texto Original

To determine the likelihood ratio for trisomy 21 in fetuses with tricuspid regurgitation at the 11 to 13 + 6-week scan.
Fetal echocardiography was carried out by specialist pediatric cardiologists in 742 singleton pregnancies at 11 to 13 + 6 weeks' gestation and pulsed wave Doppler was used to ascertain the presence or absence of tricuspid regurgitation. To avoid confusion with other adjacent signals, a strict definition of tricuspid regurgitation was used, in that it had to occupy at least half of systole and reach a velocity of over 80 cm/s. The fetal crown-rump length (CRL) and the nuchal translucency (NT) thickness were measured and the presence of any congenital heart abnormality noted. Follow-up of the pregnancy was carried out to determine the presence of chromosomal abnormalities. The likelihood ratio for trisomy 21 in fetuses with and without tricuspid regurgitation was determined.
The tricuspid valve was successfully examined in 718 (96.8%) cases. Tricuspid regurgitation was present in 39 (8.5%) of the 458 chromosomally normal fetuses, in 82 (65.1%) of the 126 with trisomy 21, in 44 (53.0%) of the 83 with trisomy 18 or 13, and in 11 (21.6%) of the 51 with other chromosomal defects. The prevalence of tricuspid regurgitation was also associated with fetal CRL, delta NT and the presence of cardiac defects. Logistic regression analysis, irrespective of cardiac defects, demonstrated that in the chromosomally normal fetuses significant independent prediction of the likelihood of tricuspid regurgitation was provided by fetal delta NT (odds ratio (OR), 1.26; 95% CI, 1.34-1.41; P < 0.0001), while in trisomy 21 fetuses prediction was provided by CRL (OR, 0.94; 95% CI, 0.89-0.99; P = 0.021). The likelihood ratio for trisomy 21 for tricuspid regurgitation was derived by dividing the likelihood in trisomy 21 by that in normal fetuses. In the chromosomally normal fetuses, the prevalence of tricuspid regurgitation in those with cardiac defects was 46.9% and 5.6% in those without cardiac defects, and the likelihood ratio of tricuspid regurgitation for cardiac defects was 8.4.
At 11 to 13 + 6 weeks' gestation, there is a high association between tricuspid regurgitation and trisomy 21, as well as other chromosomal defects. The prevalence of tricuspid regurgitation increases with fetal NT thickness and is substantially higher in those with, than those without, a cardiac defect.

VEJA TAMBÉM: